CUT-RS e centrais realizam coletiva de imprensa sobre greve geral após plenária unitária nesta quarta em Porto Alegre

A CUT-RS e centrais sindicais realizam uma coletiva de imprensa sobre a greve geral de 28 de abril nesta quarta-feira (26), às 11h, no auditório do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre (Rua General Câmara, 424 – 3º andar), no centro da capital gaúcha.

Com a participação dos presidentes estaduais da CUT, CTB, Força Sindical, UGT, Nova Central, CGTB, Intersindical e CSP-Conlutas, a entrevista acontecerá logo após o final da plenária unitária das centrais sindicais, que ocorrerá no mesmo local e definirá os últimos encaminhamentos para a greve geral que vai parar o Rio Grande do Sul e o Brasil nesta sexta-feira.

“Estamos nos aproximando da greve geral que certamente será a maior da história do país, como resposta da classe trabalhadora para o ataque brutal do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB) aos direitos trabalhistas e previdenciários conquistados com muita luta ao longo dos últimos 100 anos”, afirma o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo.

Para ele, “a defesa da aposentadoria e da CLT levará milhões de trabalhadores e trabalhadoras a paralisar no estado e no país porque não é cortando direitos que o Brasil sairá da crise, mas sim com a eleição de um governo legítimo e com a retomada do crescimento econômico”.

Claudir salienta que “a greve geral será também um duro recado aos parlamentares que apoiam o governo Temer no Congresso Nacional. Quem votar a favor das reformas da Previdência e Trabalhista não será reeleito em 2018 porque o movimento sindical vai denunciar os seus nomes para todos os trabalhadores”.

Segundo o presidente da CUT-RS, “a greve geral se impõe pela necessidade de reagir diante do maior roubo aos direitos trabalhistas já praticado na história do Brasil por um governo ilegítimo que não tem apoio da população, não tem moral para fazer reformas e está cada vez mais atolado em denúncias de corrupção junto com muitos deputados e senadores”.

Porto Alegre, 25 de abril de 2017.

Fonte: CUT/RS